Neste tempo de emigração e refugiados, transcrevo um “poéma” de José dos Santos Ferreira (1) , lembrando outra grande onda migratória marítima, a dos vietnamitas  (2) que em Macau encontraram um bom porto de abrigo.

sampanas-no-porto-interiorMasqui  ramendá unga tosco bote,
Largado na mar com ónda picánte,
Quim pôde isquecê acunga dote
Qui já dá vôs grandura di gigánte!
Pa quim buscá luz, vôs sandê candia;
Quim passá fome, vêm aqui têm pâm;
Pa quim ta fuzí, susto ventania,
Vôs dá teto co paz na coraçám.

                José dos Santos Ferreira

(1) FERREIRA, José dos Santos  – Doci Papiaçam di Macau. Instituto Cultural de Macau 1990, 205 p. ISBN-0972-35-0103-1.
(2) Refugiados vietnamitas que fugiam por mar da Guerra do Vietnam, em maior número nos anos de 1978 e 1979 mas que se manteve até princípios de 1990. Estima-se que 30 mil refugiados do Vietname  passaram por Macau.
Aconselho visualização do documentário “Sea Of Memory – A Vietnamese Boat Refugee” em:
https://www.youtube.com/watch?v=YNe897ereaY