Entre as notícias de Julho de 1992, encontrava-se esta:
“Foram recuperados pela polícia americana os dois valiosos desenhos do pintor George Chinnery pertencentes ao espólio do  Museu Luís de Camões e roubados há quatro anos durante a exposição em Nova Iorque.
O desaparecimento das duas obras de Chinnery, que têm por tema Macau, deu-se em Novembro de 1988 durante a participação de uma representação de Macau no certame ” O Ano do Dragão”, na cadeia Bloomingdale´s de Nova Iorque. (1)
Um dos quadros recuperados era o desenho da Igreja de S. Paulo, antes do violento incêndio de 1835, (2) com destruição da igreja e colégio construídos pelos jesuítas da Companhia de Jesus, na segunda metade do século XVI (1594-1602) restando depois somente as ruínas: a imponente fachada e a escada de granito.

CHINNERY Igreja de S.Paulo antes do incêndio 1834Igreja de S. Paulo, antes do incêndio
George Chinnery, 1834
Lápis e sépia
160 x 180 mm

(1) MacaU, II Série n.º 4, Agosto 92, p.97.
(2) “27 -01-1835 – A bela Igreja de S. Paulo de que hoje só resta a arruinada frontaria  foi destruída por um violento incêndio, na noite de 26 para 27. O Batalhão Príncipe Regente estava instalado no Colégio e o incêndio propagou-se a partir da cozinha ateando-se com rapidez a toda a estrutura.” (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Volume 3, 1995)