ANÚNCIO DE 1922 - S. M. BACHOOA Rua Central teve o seu apogeu nos fins do século XIX e as duas primeiras décadas do século XX, entrando em decadência quando a Avenida de Almeida Ribeiro foi completada ligando directamente a Praia Grande ao Porto Interior em 1913. (1)
Na Rua Central estavam as casas comerciais mais procuradas pela comunidade macaense (e não só) pois aí concentravam-se os ourives e joalharias, alfaiatarias, modistas, livrarias e  sobretudo as lojas dos “mouros”.
Na Rua Central, na década de 20 (século XX), estavam os irmãos (?) Mahomed,  no n.º 27 o A. H. Mahomed e no n.º 11 o B. Moor Mahomed  e o estabelecimento n.º 49 do  Selek  Mahomed Bachoo  (no Anuário de 1927 estava registado no n.º 45 e 47 da Rua Central).
“Estas lojas expunham ricas sedas, cetins e outros panos caros, finos bordados e toalhas trabalhadas. Vendiam roupas, sortidos de camisa, gravatas, colarinhos duros, chapéus de feltro e muitas coisa e coisinhas para o gosto feminino, segundo a moda de Paris, como assim diziam.
Asa lojas mais célebres foram as do “mouro” Bachoo, do “mouro” Haji, do “mouro” Elias e do mais conhecido de todos, o “mouro”  Kassam  que apresentava, por ocasião do Natal, os mais lindos brinquedos de que há memória em Macau. Ir às lojas dos “mouros” era uma tentação e um permanente encanto. (2)
(1) https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/09/02/noticia-de-2-de-setembro-de-1913-avenida-almeida-ribeiro/
(2) FERNANDES, Henrique de Senna – Mong Há, 1998.
Anúncio retirado de “Macau e  seu porto artificial“, 1922.