ERRÂNCIA
A voar por cima de Samarcanda.
Aceno à súbita memória
De meus avós almocreves
Que, por ocaso, nunca aqui passaram
Quando iam ao Porto
Em machos guizalheiros,
E onde comiam tripas,
A buscar as especiarias de lá.
De primeira classe, num avião francês,
A enjoar champanhe e caviar,
Vou a Macau falar de Camões.
Em nome dele, e por eles,
Obreiros dum império de ilusões,
Vou, como novo andarilho,
Garantir ao futuro que Portugal
Terá sempre o tamanho universal
Da infinda inquietação de cada filho.

Miguel Torga (1)

Miguel Torga, pseudónimo literário de Adolfo Correia da Rocha (1907-1995), um dos mais importantes autores portugueses contemporâneos.
(1) TORGA, Miguel – Diário Vols. XV e XVI. Editora Planeta de Agostini, 2003, 228 p., ISBN: 972-747-869-7.
Ver anteriores referências a este poeta:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/miguel-torga/