“Era este o nome que os portugueses davam a Iquan, ou Cheng Chi-lung. (1)
Nasceu no distrito de Chuan-chow, aí por 1600. Aos 18 anos, veio para Macau, onde foi baptizado com o nome de Nicolau, do nome do seu padrinho, (2) que o tratou como filho.
Regressando à sua terra, partiu para o Japão, onde se colocou ao serviço dum rico comerciante chinês, Li Han, casando ali com a japonesa Tagawa (3). Sabendo português, foi para a Formosa como intérprete da Companhia Holandesa, cujo serviço abandonou em 1625 para se fazer pirata.
Quando Li Han morreu, (4) Iquan tomou conta da maior parte dos seus navios e da sua riqueza. Em breve, comandava 400 juncos que, em fins de 1627, se elevavam a mais de 1000. Apoderou-se de Amoy (5), e dali dominava toda a costa entre o rio Yantse e o rio das Pérolas.
O Imperador (Chongzhen 崇禎); vendo que o não podia vencer, nomeou-o em 1628, comandante da frota imperial com o grau de mandarim, com a condição de limpar os mares de outros piratas, o que ele aceitou, estabelecendo em Amoy o seu quartel-general.
Passando em silêncio as suas façanhas, (6) vejamos apenas o incidente que se deu com Macau.

IQUAN o pirataIlustração de Zheng Zhilong e do seu filho Coxinga
http://en.wikipedia.org/wiki/Zheng_Zhilong

Demos a palavra a Palafox:
«Julgo agora necessário dizer algo sobre a questão que se originou entre Icoan e os Portugueses de Macau. Ele mostrou sempre inclinação e apreço por esta cidade, onde viveu quando era jovem, quando nunca esperava ser elevado à categoria actual. Aconteceu agora um notável incidente que esteve para o levar (como ele ameaçou) a indispor-se fortemente com os seus habitantes.
A ocasião foi a seguinte: Achando-se no Japão no início da sua carreira teve lá uma filha natural, que foi baptizada e educada na Religião Católica. Quando os cristãos foram expulsos do Japão, ela fugiu e veio com eles para Macau, onde foi recebida por pessoas caritativas, que se incumbiram da sua pia educação no exercício da Religião Cristã.
Sendo informado de que a sua filha se achava em Macau, enviou recado aos portugueses para que lha mandassem, visto ser sua filha.
Estes sabiam que era o pai que exigia a sua filha, mas não julgaram conveniente enviar-lha; e a razão era que ela era cristã e ele, ainda que ele fora baptizado e fizera a sua profissão de fé, vivia agora como infiel e não tratava senão com infiéis. No entanto, quiseram examinar e considerar tão importante negócio. Para este fim, reuniram uma Assembleia de Eclesiásticos e de outras pessoas piedosas, os quais chegaram à conclusão de que se não devia restituir a filha ao pai.
Ao saber disto, Iquan lançou terríveis ameaças, de que viria e cercaria Macau com uma esquadra de 500 a 1.000 navios, que levaria a sua filha pela força, arruinaria ou extirparia todos aqueles que haviam detido a sua filha, e que desde este momento ele começaria a reduzi-los à extremidade da indigência e da necessidade, pondo final à recepção de quaisquer provisões ou comodidades da China.
Apesar de todas estas ameaças, (7) não lhe entregaram a filha, nem permitiu Deus que ele fizesse cair a cidade os flagelos que meditara».
Esta filha devia ser uma que casara em Macau com um português (ou macaense) chamado António Rodrigues, filho dum cidadão chamado Manuel Belo; ambos eles foram viver com Iquan em Anhai aí por 1640; o último acompanhou-o a Pequim em 1646, voltando depois para Anhai, onde faleceu em 1649.
Iquan tinha 300 negros ao seu serviço, sendo todos cristãos e escravos fugidos de Macau. Quando foi preso traiçoeiramente (8) pelos manchus em Amoy, os escravos opuseram forte resistência, sendo mortos uns 100 no combate. Os restantes colocaram-se ao serviço dos manchus em Cantão, onde muito se distinguiram no cerco de 1647.
O seu grito de guerra era Santiago.” (9)

(1) 鄭芝龍 Zheng Zhilong ou Cheng Chi-lung, baptizado com o nome de Nicolau Iquan Gaspar nasceu em 1604, no distrito de Chuan chow, provavelmente na cidade de Nan’an (Fujian), 820 milhas ao norte de Amoi/Xiamen.
(2) Nicolau Gaspar (???), português respeitável e rico que lhe deixou larga porção da sua herança pois morreu sem descendência. (10)
(3) Tagawa Matsu (田川松), ou Weng-shi (翁氏) (1601 – 1646). O filho de Iquan e Tagawa, nascido em Hirado (Japão), Zheng Chenggong (鄭成功 – em pinyin: Guóxìngyé (1624-1662), recebeu do príncipe de Tang, de nome Lung Wu (imperador Ming), o título de Kuohsing-yeh   (“Senhor do Apelido Imperial”), que os portugueses chamaram de Koxinga ou Coxinga. Como os Tártaros-Manchus não tinham esquadra, Lung Wu estava seguro sob a protecção de Iquan e do filho Coxinga; mas, querendo internar-se no interior, foi derrotado em Tingchow (Tingzhou) ; fugiu e morreu no cativeiro. (10)

Zheng Cheng gong Estátua de Zheng Chenggong em Xiamen, Fujian.
http://en.wikipedia.org/wiki/Koxinga

(4) Li Han e Iquan haviam favorecido em 1624 a transferência dos Holandeses dos Pescadores para a Formosa e estimularam a emigração dos Chineses para esta ilha.
(5) Amoy 廈門 Xiamen

Hans PutmansHans Putmans
http://thisdayinalternatehistory.blogspot.pt/2010_10_01_archive.HTML

 (6) Em 11 de Julho de 1633, uma esquadra holandesa sob o comando de Hans Putmans chegou a Amoi e, dois dias depois, atacou traiçoeiramente a frota imperial sob o comando de Iquan, destruindo-a completamente dentro de poucas horas. Iquan organizou em breve uma nova esquadra de 100 navios e, aos 22 de Outubro atacou a de Putmans e, depois de afundar o navio Brouckerhaven e de capturar o Sloterdijck, obrigou os Holandeses a levantar o cerco de Amoi. Tendo perdido outros 2 navios num tufão, Putmans retirou-se para os Pescadores e Formosa. (10)
(7) Pelo contrário, mostrou-se amigo dos Portugueses e auxiliou-os no seu comércio com o Japão, levando lá nos seus próprios barcos as mercadorias de Macau. (10)
(8) Os Tártaros-Manchus prometeram então a Iquan nomeá-lo vice-rei das três províncias de Chekiang, Kwangtung e Fukien, se ele se submetesse, o que ele fez. Em 1646, o general manchu Tung Kuo-chi induziu-o a descer a terra, e quando o apanhou, traíu-o e “convidou-o” a seguir para Pequim. Pretendendo os Manchus obter a submissão da sua esquadra e dos seus sequazes, sobretudo do seu filho Coxinga, trataram-no como um príncipe; mas o filho rejeitou todas as ofertas e colocou-se ao lado do último pretendente ming, o príncipe de Kwei, mais conhecido por imperador Yung Li. Em 1648, os padres Gabriel de Magalhães e Luís Buglio foram levados de Szechevan a Pequim; Iquan visitava-os amiúde, construiu-lhes uma casa e capela, proveu-os de dinheiro, criados e alfaias.
Nem as promessas nem as ameaças dos Manchus puderam seduzir Coxinga, que em 1656 atacou Nanquim e em 1660 alcançou uma brilhante vitória naval em frente de Amoi. Os Manchus acusaram então Iquan de encorajar secretamente o filho e privaram-no de todas as honras. Reduzido à miséria, viu-se forçado a aceitar as esmolas dos Jesuítas, a quem antes favorecera. Aí por 1661, foi condenado à morte e degolado.(10)
(9) TEIXEIRA, Padre Manuel – Iquan, o pirata maroto in Vultos Marcantes em Macau.
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2015/05/31/leitura-vultos-marcantes-em-macau/
(10) http://www.library.gov.mo/macreturn/DATA/PP280/PP280266.HTM