Neste dia, 17 de Fevereiro de 1912, foi autorizada a contratação, pela verba da Polícia Secreta, de uma mulher para servir de apalpadeira nos embarques e desembarques de chinesas dos vapores das carreiras de Cantão e Hong Kong para Macau.
Nesse mesmo dia, foi enviado um comunicado da Capitania dos Portos à Secretária-geral do Governo, justificando a revista a passageiros durante o embarque e desembarque nos vapores de Cantão e de Hong Kong a fim de evitar mais casos de pirataria. (1)

Não sei quando se extinguiu esta categoria nos quadros da função pública, em Macau, mas ainda havia menção no Corpo de Segurança Pública em 1963 (Decreto n.º 45396 de 30 de Novembro de 1963) de 4 apalpadeiras de 1.ª classe no pessoal assalariado.
NOTA: em Portugal, com a reforma aduaneira de 1965 (Decreto Lei 46311, de 27 de Abril de 1965), deixou de ter nos quadros das Alfândegas, a categoria de apalpadeira.

(1) Informações recolhidas de SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, 4.º Volume.