Foi dada em 3 de Fevereiro de 1920, autorização a «The Macao Aerial Transport Co Ltd» para ser construído um hangar provisório para hidroaviões, em terreno vago pertencente ao estado, situado a oeste do depósito da «Standard Oil Co.», à beira mar na Barra. (1) Nesse ao, a 16 de Fevereiro, chegava o primeiro hidroavião. A «Macau Aerial Transport Company» chegou a ter em Macau 12 hidroplanos com 16 aviadores americanos. O primeiro «hidro» foi baptizado em 6 de Março de 1920, com o nome de «Almirante Paço d´Arcos».
Um dos seus fundadores foi Charles E. W. Ricou.(2)
A sede encontrava-se na Avenida Almeida Ribeiro, n.º 43. e destinava-se a transporte de passageiros e bagagens, e serviço postal (3) entre Macau, Hong Kong (Repulse Bay) e Cantão utilizando hidroaviões.
A empresa faliu, em 1928, talvez devido aos múltiplos interesses de Ricou na cidade e desconfiança da sua condição de francês, as autoridades britânicas e chinesas criaram uma série de dificuldades burocráticas não permitindo a descida dos aviões nos seus respectivos territórios. (4) (5)
(1) “08-03-1921 – Diversas cartas de Charles Ricou ao Comissário da Polícia sobre gratificação aos guardas que fazem vigilância às barracas e aviões instalados na Barra.” (6)
Leonel Barros numa crónica no JTM refere: «Segundo a planta do “Plano Geral das Obras do porto Artificial” contendo divisórias de talhões para aforamento datado de Março de 1921, sabe-se que o local escolhido para parque desses hidroaviões cobria uma extensão que ia desde a Praça Lobo d´Ávila até ao fim da Avenida da República, próximo da Meia Laranja, mas escasseiam os dados sobre a época» (BARROS, Leonel – Fez 79 nos que chegou a Macau o primeiro hidravião. 2008.
http://arquivo.jtm.com.mo/view.asp?dT=273102002
(2) Charles Edmond William de Ricou, francês nascido em Hong Kong, foi de 26-5-1921 a 30-12-1921 “Managing Director da «Macao Electric Lighting Company Limited»”. (6)
Mais informações este cidadão francês em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/charles-ricou/
(3)  05-04-1920 – Projecto do contrato a celebrar com a firma “The Macao Aerial Transport Co. Ltd.”, para o estabelecimento do serviço da Posta Aérea entre Macau, Hong Kong e Cantão.
http://www.archives.gov.mo/webas/ArchiveDetail2013.aspx?id=26951
(4) “20-10-1921 – Informações prestadas ao Cônsul de França em Hong Kong, sobre a notificação que o Governo de Macau, por intermédio do Comissariado da Polícia fez a Charles Ricou de que o expulsaria desta Província, caso ele, por si ou como representante de qualquer empresa, estabelecesse serviços de aviação na Lapa, por conta do Governo de Cantão”. (6)
(5) “02-03-1928 – Pedido de Frederik Johnson Gellion, director da «Macao Aerial Transport Co. Ltd.» para vender o material de aviação que essa Companhia possui no seu depósito sito na Barra.” (6)
(6) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, 4.º Volume