Janeiro de 1668 – Foi apanhado numa armadilha em Oitem (povoação da Ilha de Lapa) um tigre real, que no dia seguinte foi transportado por cafres (escravos africanos) para o Colégio dos Jesuítas em Macau. Admitia-se a existência de mais destes animais tão temíveis, pelo que as armadilhas em Oitem continuaram preparadas. As propriedades da Companhia de Jesus na Lapa foram abandonadas em 1762. Além destes e até esta data, os outros únicos habitantes foram frades de St.º Agostinho e de S. Domingos, com sede religiosa em Macau. (SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau,1.º Vol.).

Embora com posse administrativa das Ilhas da Lapa, Bugios, D. João e Montanha, a posse efectiva da soberania jurisdicional por Portugal nunca foram concretizadas e por elas, estiveram sempre em litígio com a China. A vertente oriental da Ilha da Lapa foi ocupada por uma força portuguesa de 60 polícias a 20 de Março de 1940, devido à invasão da ilha pelas tropas japoneses, tropa essa que se retirou, a 25 de Abril do mesmo ano.
Em 1947, o Governador, Albano Rodrigues de Oliveira tenta uma reconciliação com as autoridades nacionalistas, durante a guerra civil chinesa, com a assinatura de dois acordos bilaterais, abandonando definitivamente a reclamação da soberania e jurisdição portuguesa dessas ilhas.