A revista “Occidente” (1) do dia 20 de Maio de 1913, publicava uma notícia sobre o cruzador português «Adamastor» (2)

OCCIDENTE n.º 1238 ADAMASTOR I 1913

“Telegramas do dia 12, enviados de Londres deram notícia de ter encalhado nuns rochedos, próximo da ilha de Dumbell, o cruzador Adamastor, que de Macau seguia para Lisboa, por ordem do governo que o mandou regressar com urgencia para tomar parte numa divisão naval que em Julho deverá sahir do Tejo. (3)
            Sabida a notícia em Hong Kong pela telegrafia sem fios, foi dali enviado em socorro o contra-torpedeiro Otter e rebocador Atlas, ambos inglêses, seguindo, de Macau, a canhoneira Pátria que conseguiu recolher a bordo a guarnição do Adamastor, assim como boa parte de munições.
            Por telegramas recebidos depois, do comandante deste navio, sr. Aníbal Sousa Dias, participam que o Adamastor está em via de se salvar, tendo-se conseguido tapar o rombo que sofreu e esgotar a água dos compartimentos.
            Oxalá que se salve este navio que está ligado à história da República Portuguesa e que foi feito com o produto da Subscrição Nacional de 1890

OCCIDENTE n.º 1238 ADAMASTOR II 1913

Ainda sobre este acidente, o Diário da República 124/13, de 29/Maio,  publicava uma Lei de 28 de Maio  em que “autorizava o conselho do fundo de defesa naval a gastar até 18.000 libras com o prémio de salvamento e reparação do cruzador «Adamastor», actualmente na doca de Kowloon
http://www.legislacao.org/diario-primeira-serie/1913-05-29/0/anterior

Também em consequência deste incidente, uma notícia de 24 de Janeiro de 1914 publicado no jornal “O Comércio do Porto” no dia 25 de Janeiro de 1914 (4), relatava o julgamento do capitão-tenente sr. Aníbal de Souza Dias, nas salas do conselho de guerra da marinha, por causa do encalhe do cruzador “Adamastor”. Ocupava a presidência o capitão de mar e guerra sr Alves Loureiro e o júri era composto pelos capitães-tenetes srs. Ayres de Souza, Paiva Amado, Leotte do Rego, Souza e Faro, Júlio Milheiro e Barbosa Bacelar, este último como suplente. Face às explicações prestadas, recebidas com plena compreensão dos motivos apresentados, o capitão-tenente sr Aníbal de Souza Dias, foi absolvido.

NOTA: o Diário da Republica, n.º 199 de 26 de Agosto de 1913, p. 3214, publicava o “Movimento do pessoal na Estação Naval de Macau“, precisamente dos dias 12 e 13 de Maio. (5)

Pessoal Estação Naval de Macau DR n.º 199-1913 II

No mesmo Diário, publicava-se também as baixas hospitalares nos dias 28 e 31 de Maio. (nem todas estariam  relacionadas com o incidente), mas um de certeza seria, a  do primeiro tenente maquinista, João Carlos Costa que baixou ao hospital de Hong Kong a 25 de Maio e teve alta a 3 de Junho.

Pessoal Estação Naval de Macau DR n.º 199-1913 I

(1) Notícia na revista “O Occidente”, n.º 1238, 20 de Maio de 1913. p.143.
O cruzador «Adamastor» foi de encontro a uma rocha perto de Hong Kong
GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau. Notícas de Macau, 195, 267 p.
(2) Pode-se ver a mesma notícia numa outra publicação “Illustração Portugueza” e que reproduzi em
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2013/05/11/noticia-11-de-maio-de-1913-cruzador-adamastor/
(3) Sobre o cruzador Adamastor e as várias comissões que  realizou ao Extremo Oriente aconselho a leitura de
PINTO, José Luís Leiria (Contra-almirante) – Cruzador Adamastor
http://www.portugalgrandeguerra.defesa.pt/Documents/Cruzador%20Adamastor.pdf
(4) Retirei esta informação de
http://naviosenavegadores.blogspot.pt/2011/10/historia-tragico-maritima-xliii.html
(5) http://www.dre.pt/pdf1s%5C1913%5C08%5C19900%5C32143215.pdf