Carta do Capitão Joseph Fry, oficial do barco «Plymouth» (1) para a esposa, datada de Abril de 1853.

Chegámos aqui no dia 22 e despachámos imediatamente um barco para a praia par a as cartas. Recebi três ou quatro daquelas lindas e largas cartas, que são a inveja de todos os que as vêem, e que se distinguem logo pelo seu tamanho e pelo belo estilo com que são escritas. E agora, quanto a Macau, e o que é que vi, senti e fiz. Sabes provavelmente que uma população chinesa muito numerosa vive inteiramente nos barcos; alguns destes são tão pequeno as que nós temos dó dos pobres infelizes que vivem assim. Eles nascem, crescem, casam e criam os filhos nestes barcos. Ficarias admirada ao ver as mães com as crianças ao peito (2), manobrando as velas, os remos e o leme do barco com tanta perícia como qualquer marinheiro.

Joseph Fryhttp://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e6/Joseph_Fry.jpg

O tanká (3) é de calado muito leve e como só ele se pode aproximar da praia, é usado para transportar os passageiros dos barcos maiores. Quando nos aproximámos da praia, vimos que vários barcos pequenos se dirigiam a nós de todas as direcções. Logo a seguir, um barco, “manobrado” por duas raparigas realmente bonitas puxando os remos e uma terceira gingando, chegaram junto ao nosso, berrando insistentemente: «takee me boat!» «Takee me boat!». Tinham lindos dentes, brancos como marfim, olhos brilhantes, e as suas lindas faces, tão ansiosas e suplicantes, rasgaram-se em sorrisos quando lhes demos preferência, sobre outros que chegavam de todos os lados até nós, encostando-se aos lados do nosso grande barco e impedindo o nosso avanço. Os barqueiros procuravam afastá-los, mas em vão. Um bruto dum marinheiro encharcou várias vezes com água uma pobre rapariga, que, se bem que não bonita de todo, tinha um olhar tão profundo e uma expressão tão triste nos olhos e na face que me encantaram totalmente. Teria sido interessante para qualquer pessoa ouvir como ela resmungava e ver o flamejar dos seus olhos e a expressão vivida de cada uma das suas feições. Quando eu mostrei um rosto severo ao marinheiro, a mudança súbita da face dela da cólera para o sorriso, o ansioso clamor de «takee me boat», quando ela notou a minha simpatia, era bela…
……………………………………………………………………continua

NOTA: O Capitão Joseph Fry, graduado da Academia Naval americana, chefiava o «Plymouth» (4) navio integrado no esquadrão americano do Comodoro Matthew C. Perry, na sua primeira viagem para o Japão, em Julho de 1853.
Em Outubro de 1873 assume o comando navio «Virginius», sendo posteriormente executado pelos espanhóis, em Cuba, em 1873, acusado de contrabando de armas para os rebeldes cubanos (sobre este episódio diplomático – controle de Cuba – ocorrido de 1873 a 1875, entre ingleses, americanos e espanhóis, consultar:
http://en.wikipedia.org/wiki/Virginius_Affair
Não sabemos quantos dias esteve em Macau. O «Plymouth» partiu, via Hong Kong, para Amoy onde Joseph Fry escreve a próxima carta, datada de 22 de Junho.

(1) WALKER, Jeanie Mort – The Life of Captain Joseph Fry , The Cuban Martyr, 1875
Poderá consultar este livro em
http://www.latinamericanstudies.org/book/Joseph_Fry.pdf
(2) Segundo Padre Teixeira, “As chinesas não levam as crianças ao peito, mas às costas”
TEIXEIRA, P. Manuel – Macau Através dos Séculos. Macau, Imprensa Nacional, 1977, 87 p.
(3) Tanká (   mandarim pinyin dàn jiá; cantonense jyutping: daan2 gaat1 – casa do ovo), também chamado t´´eang-chai”, é uma pequena embarcação, comum nos portos da China, pelo menos no Sul e muito usada em Macau, no transporte de passageiros dentro do porto. Quase sempre tripulada por mulheres a que em Macau chamam «tancareiras».
Plymouth 1853

(4) «USS Plymouth» (1844) foi um navio de guerra (em inglês «sloop of war» – navio com os canhões dum lado do navio) construído em 1843, em Boston. Armada com 22 canhões e 450 homens , integrou a expedição do Comodoro Matthey C. Perry ao Japão – tentativa de forçar o Japão a abrir os portos ao comércio internacional. Ardeu em Abril de 1861 no porto de Norfolk.

http://en.wikipedia.org/wiki/USS_Plymouth_(1844)
http://www.baxleystamps.com/litho/ships.shtml