Continuação do “post” de ontem:

Parodia à Bastiana

Quim buscá amor, Cathrina
Ung-a dia lôgo churá;
Amor de ozê em dia, Cathrina,
Pôco lôgo durá.
 
Pece (41) de pescaria, Cathrina,
Provêto lôgo dá;
Pescaria de amor, Cathrina,
Frescura lôgo achá.
 
Gente curto-curto, (42) Cathrina,
Séria nadi faltá,
Minina ôlo preto, Cathrina,
Capaz namorá. (43)
 
Branca, sã innocente, Cathrina,
Morena, capaz fingi, (44)
Preta abusadeira, Cathrina,
Vingança sempre pidi.
 
Quim querê casá, Cathrina
Primeiro déve sabê,
Lavá-rópa, cuzinhá, Cathrina,
Puça ágo, (45) comprá sôm, (46) barê. (47)
 
Cathrina, minha Cathrina,
Relogio tá dá hora,
Nunca bom tristi, Cathrina,
Adám lôgo vem agora.
 
Lagri, quitiz-quitiz, (48) Cathrina
Ranho, fiti-foto, (49)
Babo criá escúma, Cathrina,
Coraçãm piti-pôto. (50)

(41) Pece – peixe
(42) Gente curto-curto – gente esquisita, de costumes imorais.
(43) Capaz namorá – namoradeira, com geito para namorar.
(44) Capaz fingi – com habilidade para o fingimento.
(45) Puça ágo – puxar água (do poço).
(46) Barê – varrer.
(47) Sóm – comida, conducto para o arroz.
(48) (49) (50) – Quitiz-quitiz; Fiti-foto; piti-poto – expressões onamatopaicas do barulho produzido pelas lágrimas que caem gota a gota, do ranho que sufoca quem está chorando e da palpitação do coração duma pessoa angustiada.

TA-SSI-YANG-KUO – Archivos e annaes do Extremo-Oriente português 1899 -1900– Colligidos, coordenados e anotados por J. F. Marques Pereira. Volume I.