Ilustração Portugueza1908 Macau Cidade de Prazeres TÍTULO

O pirata das nossas imaginações românticas não é um sonho na China. Elle existe e por vezez tão poderoso, que se torna o terror d´aquellas aguas azues onde faz o assalto e enriquece para vir de temporada em temporada gastar em Macau o producto das suas rapinas no jogo do fantan. N´essa noite do anno novo china as casas de jogo estão atulhadas. Por uma deferência para com os chinezes o proprio governador de a província as vae abrir. Sae do palácio na sua cadeirinha de gala ou no seu rinkchow de ricas molas e entra com os ajudantes e os funccionarios  na casa onde se dissipam fortunas.

Ilustração Portugueza1908 Macau Cidade de Prazeres Cadeirinhas do GovernadorPraia Grande – as cadeirinhas do governador

É geralmente uma sala que uma grande mesa occupa; sobre esta, abre-se  no tecto um vão que se alarga até à altura de dois andares. Em volta da mesa ficam os jogadores mais acirrados; lá em cima os ricos mercadores e alguns mandarins, com as suas vestes de luxo, vão tomando chá perfumado, engulindo doces ou comendo gravemente pevides d´abobora, tendo suspensos do gradeamento a que se encostam uns cestinhos leves onde põem o dinheiro das suas apostas e que sobem e descem a cada partida do jogo. As luzes coloridas illuminam aquillo, tingem os rostos excitados e anciosos dos jogadores. O jogo está sobre a mesa n´uns quadrados de papelão onde ha quatro numeros, um moço vae tilintando porções de sapecas que à força de mexidas teem a linda côr viva do ouro.

Ilustração Portugueza1908 Macau Cidade de Prazeres Jogo do FantanO jogo do fantan

Então o banqueiro toma um punhado d´essas moedas, cobre o monte com uma taça voltada enquanto se fazem apostas e depois, com um palito de marfim, separa-as a quatro e quatro rapidamente, tão rapidamente, quanto é vivo e louco o olhar de toda a gente que está de roda esperando vêr quantas restam e que serao o número em que se ganha. Ouvem-se, à medida que tudo aquillo vae decorrendo, murmurios que se escapam; os numeros que julgam ser os do ganho saem n´um grito de felicidade ou núm grunhado de desespero d´aquellas bocas contorcidas, porque o amarello, no jogo, perde a fleugma que nem mesmo o amor o faz.

Ilustração Portugueza1908 Macau Cidade de Prazeres Pharol da Guia“Pharol da Guia, o primeiro que foi edificado em águas chinezas”

É então uma subida e descida dos cestinhos com quantias que tilintam, os montes de dinheiro a dividirem-se e as sapecas n´uma montanha luzente sobre a mesa aguardando novamente as mãos tranquillas dos banqueiros, as apostas dos jogadores, a cobiça dos ricos que lá em cima, sorvendo o seu chá, descascando as pevides, engulindo os doces, vão pensando ao mesmo tempo no negocio e nos olhos obliquos da chinezinhas infantis. Ellas, por sua vez, garridas e sonhadoras, atirado-as para as casas de prazer ou par os logares de diversão, guardam sempre a esperança, que a cortezã do occidente jámais nutre: a de vir ainda a casar, de que algum rico mandarim, algum negociante de longes terras ou algum nobre manchu a leve para terceira ou quarta esposa, para lhe dar filhos e gosar na doçura do lar chinez, mysterioso como um tumulo, todas as regalias de que as mulheres legitimas gosam…”
…………………………………………………………………………………..continua

2.ª parte do artigo, não assinado, publicado na “Ilustração Portugueza”, pp. 803-804, 1908.