A prova do dia 6 de Novembro de 1955 – II Grande Prémio de Macau – foi presenciada por cerca de 30 mil pessoas, espalhadas por todo o circuito. O Governador, Almirante Joaquim Marques Esparteiro, e família, bem como as principais autoridades da Província, assistiram à corrida na tribuna de honra colocada ao centro das bancadas, frente à linha das partidas e chegadas.

IIGP Macau - corte fita simbólica

À hora marcada, a esposa do Governador, Sra. Dra. Laurinda Marques Esparteiro, cortou a fita simbólica e declarou aberto o circuito para o II Grande Prémio de Macau. Os automobilistas concorrentes foram em seguida, apresentados ao Governador.

IIGP Macau - partida

Na pista viam-se, prontos para largar, 2 «Austin-Healey”, 1 «Aston Martin DB3S», 1 «Aston Martin DB 2/4», 1 «Aston Martin DB 2/4», 1 «Fem Car Special», 1 «Mercedes 190 SL», 1 «Helvia Special», 3 «Triumph TR2», 1 «Dellow MK.V» e 1 «Ferrari Mondiale», sendo este último o único concorrente de Macau. Os restantes carros, à excepção dos 2 «Aston Martin», que tinham vindo de Singapura, eram todos de Hong Kong.
Não entraram na prova, devido a acidentes sofridos na véspera, 2 «Jaguar XK120», não tendo igualmente concorrido um outro «Austin-Healey», por impossibilidade física da condutora inscrita, Wen-Lenard.
Os 12 carros tomaram os seus lugares na partida, de conformidade com os tempos obtidos nos treinos oficiais, vendo-se assim, na primeira fila, o Ferrari Mondiale, um dos Austin-Healey e o Mercedes 190 190 SL.

Às 12 horas precisas, Sua Ex.a o Governador baixou a Bandeira Nacional com que foi assinalada a partida dos carros.

Dos 12 carros que iniciaram, somente dois únicos carros completaram o percurso de 60 voltas (ou seja 376.500 Kms.)
Vencedor absoluto: Austin-Healey, conduzido por Robert Ritchie, classe D, que completou o percurso, em 3h. 55m. 55.7s, à velocidade média de 59.49 milhas horárias.
A volta mais rápida foi registada por este carro, que fez 3m. 31.2s. , na 52.ª volta, à velocidade média de 63.30 milhas horárias.
2.ºclassificado: Mercedes 190SL, conduzido por Douglas Steane, classe E, que completou o percurso em 3h. 55m. 58s., à velocidade média de 59.48 milhas horárias.
3.º classificado: Triumph TR 2, conduzido por N. Fullford.
4.º classificado: Aston-Martin DB 2/4, conduzido por L. H. Chan.
5.º classificado: Femcar Special, conduzido por Eduardo Carvalho (vencedor do I Grande Prémio de Macau) (1)
6.º classificado: Aston Martin DB3S, conduzido por L. C. Chan.
IIGP Macau - vencedor absoluto

Após a corrida, a D. Laurinda Marques Esparteiro coroou o vencedor absoluto, tendo este em seguida dado uma volta ao circuito no carro vitorioso, em velocidade moderada, durante a qual recebeu a ovação do público.

NOTA 1: reparar no número do carro vencedor: n.º 4. Certamente nenhum “supersticioso” falante do cantonense aceitaria correr com tal número.
NOTA 2: durante a Primavera e início do Verão de 1955, a totalidade da parte interior do circuito foi encerrada ao trânsito para que os seus velhos paralelepípedos fossem retirados e substituídos por asfalto. (2).

NOTA 3: para quem vive no Porto ou arredores (ou que passe por esta cidade), está uma exposição, no Museu dos Transportes e Comunicações (MTC), na Alfândega do Porto, com o tema: “Os 60 anos de Grande Prémio em Macau”. Esta exposição que decorrerá até meados de Dezembro, mostra as seis décadas do maior e mais antigo circuito urbano, palco regular e ininterrupto de um encontro anual de corridas, no planeta, e o único evento do género com provas de carros e motas no mesmo programa. Este ano (2013) comemora-se o Jubileu de Diamante com provas a decorrer em dois fins de semana (9-10 e 14-15 de Novembro).
(1)     https://nenotavaiconta.wordpress.com/category/grande-premio-de-macau/
(2)     http://archive.grandprix.gov.mo/mgpc/subpage.php?id=643&lang=pt