Encontrei outro pequeno texto de Jaime do Inso (1) no livro escolar da quarta classe, utilizado em Portugal e também nas colónias, nas décadas de 50 e 60 (2).

Alguns bandos de piratas, que dominavam nos mares da China, e contra os quais nos batemos tantas e tantas vezes, estabeleceram o seu quartel-general no território de Macau, donde saíam para pilhar toda a região vizinha.
            Os Chineses, vendo-se impotentes para os atacar, pediram o nosso auxílio.
            Depois de dois ou três anos de porfiadas lutas, conseguimos expulsar os piratas, refugiando-se estes numas ilhas, desde então conhecidas pelo nome de Ilhas dos Ladrões.
            Em recompensa daquele feito, o imperador da China confirmou a posse de Macau aos Portugueses, onde nos temos mantido desde 1557.
            Mesmo durante os sessenta anos da dominação castelhana, a bandeira portuguesa não foi arredada. Os Macaenses resistiram vitoriosamente a todos os ataques dos inimigos – Holandeses e Ingleses.
            «Não há outra mais leal» assim o declarou D. João IV”

Leituras para o Ensino Primário

(1)   O texto foi retirado (embora modificado) de
INSO. Jaime do – Macau, a mais Antiga Colónia Europeia no Extremo Oriente. Escola Tipográfica do Orfanato, 1929, 152 p.
Sobre Jaime do Inso, ver:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/jaime-do-inso/ 
(2)   LIMA, Augusto C. Pires de; LIMA, Américo Pires de – Leituras para o Ensino Primário. Quarta Classe. Aprovadas por Despacho Ministerial de 20 de Maio de 1953. Porto Editora, L.da, 36.ª edição, 1965, 144 p.