Parte do texto retirado do livro escolar de 1970 (autorizado, para cinco anos -1/8/970 a 31/7/975-, por despacho ministerial de 2 de Julho de 1970) “História e Geografia” para o 2.º ano Ciclo Preparatório (1)

História e Geografia MAPA

Macau, também foi antigamente uma ilha; o istmo, agora chamado da Porta do Cerco, formou-se depois.
O território de Macau é de 16 quilómetros quadrados apenas, – com uma população calculada para 1966 em cerca 280 000 pessoas o que dá a espantosa densidade de 17 500 habitantes por quilómetro quadrado….(…)
            Muitos dos habitantes vivem em barcos, no porto de Macau.

História e Geografia SAMPANAS

Sampanas no porto de Macau

 A  indústria mais importante é a de roupa e confecções.
Mas há muitas outras: de fogo-de-artifício, de fósforos, de tecidos, etc. As matérias-primas para estas indústrias são importadas.
Em 1966, o total das exportações foi de 690 000 contos.
O primeiro lugar coube aos artigos de vestuário e roupas, com quase 270 000 contos, o segundo ao fogo-de-artifício, com 60 000 contos, seguidos por 21 000 contos de peixe e 43 000 de crustáceos e moluscos, 28 000 de tecidos, 13 000 de calçado, etc.
A importação foi de quase um milhão e meio de contos.

História e Geografia HIDROAVIÃOHidroavião da carreira de Hong Kong, na rampa em frente ao Hangar do Porto Exterior (2)

O turismo é uma grande fonte de receita. Com efeito, Macau é visitada por muitos orientais e europeus que aí fazem seus negócios e se distraem…

(1)   FERNANDES, Maria da Graça Lameiras; SIMÕES, Manuela Lobo da Costa; FREITAS, Gustavo de – História e Geografia de Portugal, para o 2.º ano de Ciclo -Preparatório do Ensino Secundário. Porto Editora/ Emp. Lit. Fluminense/Livraria Arnado, 1970, 279 p.

História e Geografia CAPA

(2)   Esta foto será do final da década de 50 ou princípio de 60. A “carreira de Hong Hong” era feita pela “Companhia Limitada de Transportes Aéreos de Macau” (registada em Abril de 1948 por Pedro Lobo e Liang Chang) e era quase exclusivamente ao transporte do ouro, embora pudesse também transportar passageiros, sobretudo nos voos entre Macau e Hong Kong.
Em 1961, as estatísticas indicavam um movimento anual de 48 hidroaviões em Macau, transportando ouro no valor de 305 milhões de patacas. Mas a MATCO (Macao Air Transport Company) estava condenada a desaparecer e mesmo quando foi comprada por Stanley Ho ninguém acreditou na sua viabilidade. Os aviões foram sendo vendidos às companhias da região… (, Luís Andrade de – Aviação em Macau, Um Século de Aventuras. Companhia do Aeroporto de Macau/Gabinete do Aeroporto Internacional de Macau/Livros do Oriente, 1990, 119 p. ISBN 972-9418-07-1)