Foi inaugurado o «President Hotel» (adoptaria a designação de «Grand Central Hotel» a partir de 1930, mais conhecido como «Hotel Central»), sendo o primeiro “risca-céus” de Macau. Inicialmente tinha 6 andares, mas com o tempo foi aumentando até aos 11 andares, tendo sido durante muito tempo, o mais alto do Ultramar Português (1).
No rés do chão e sobre-loja, funcionava o Restaurante “GOLDEN GATE” (um dos primeiros restaurantes a funcionar interruptamente “onde se encontra uma cozinha excelemte que satisfará todos os gostos”); do outro lado do rés do chão estava um “SALÃO DE BELEZA(“o melhor da colónia”); no 1.º andar tinha um salão de divertimentos (“divertimentos europeus e chineses”); tinha outro restaurante “GOLDEN CITY” no 5.º andar; no 6.º andar estava o Cabaret/Salão de dança ( com uma “esplêndida banda e dispondo de ar condicvcionado); os quartos do hotel estavam no 2.º ao 4.º  e no 7.º ao 10.º andares (2).
Os anúncios nos jornais da época, não o mencionava expressamente, mas no 1.º andar funcionava o “CASINO HAO XING” (daí o anúncio de salão de divertimentos europeus e chineses”)
A inauguração do hotel foi notícia não só em Macau e Hong Kong como também no estrangeiro e em Portugal , uma revista, em 1939, anunciava o seguinte: (3)

Hotel Presidente

O monumental edifício do «President Hotel», o maior estabelecimento hoteleiro de Macau e um dos melhores do sul da China, foi recentemente inaugurado pelo governador daquela colónia sr. Tamagnini Barbosa, perante uma numerosa assistência. Este edifício que veio a custar meio milhão de patacas, tem 80 quartos para hóspedes, dez salas de jantar, um roofgarden e um esplêndido salão cinematográfico. Esta arrojada iniciativa pertence ao activo capitalista de Macau sr. Hee Cheong cujo retrato se vê no medalhão que é um grande amigo de Macau e dos portugueses.”

Hotel Central década de 60Avenida Almeida Ribeiro e o Hotel Central na década de 60 (já com os 11 andares)

As notícias davam ainda como novidade, neste hotel, de dois elevadores com capacidade para 9 pessoas cada um e ainda a instalação de um cinematógrafo e um “frigorífico” (4)

Hotel Central A Voz de Macau 1042Anúncio no jornal “A Voz de Macau”, em 1942

O Hotel Central (local de muitas “estórias” principalmente durante a guerra do Pacífico) fechou portas em 31 de Dezembro de 1961, após a atribuição da concessão do exclusivo do jogo à  STDM (a partir de 1 de Janeiro de 1962).
NOTA: É de recordar que nesse mesmo ano, Janeiro de 1928, abriu o «Hotel Riviera», sucessor do «New Macao Hotel» (por sua vez, sucessor do «Hing Kee» ) na Avenida Almeida Ribeiro, cruzamento  da Praia Grande, em frente ao Banco Nacional Ultramarino. No Anuário de Macau de 1927, o único hotel “conhecido” mencionado era o «New Macao Hotel».

(1)   GOMES, Luís G. – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(2)   Ver anterior “post” anúncios do Hotel Central
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/04/29/anuncios-hotel-central-i/
(3)   Revista “Ilustração”, 1929, n.º 73, p.14
(4)   SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Século XX, Volume 4. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, 2.ª Edição, Macau, 1997, 454 p, ISBN 972-8091-11-7.

Outras referências aos hotéis Central e Riviera:

https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-central/
https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/hotel-riviera/