Álbum de colecção de cromos (124 cromos) sobre a vida de Camões, edição da Agência Portuguesa de Revistas, 1966 (1.ª edição) (1)
Luís de Camões cromos I

A concepção do album é de Mário de Aguiar, os desenhos a guache são de Carlos Alberto Santos (2) e as legendas de José de Oliveira Cosme.
Luís de Camões cromos II

A biografia por imagens do maior poeta português, com todos os principais passos da sua atribulada existência de moço trovador, espadachim, guerreiro e genial autor das inspiradas estrofes de “OS LUSÍADAS
Luís de Camões cromos IIIUm terrível pirata infesta os mares da China nesse ano de 1556, Chau-si-Lau. Incapazes de enfrentar com êxito tão poderoso inimigo, os chineses pedem auxílio portugueses.”

Luís de Camões cromos IVChau-si-Lau é vencido, e o imperador da China, em tributo de gratidão, oferece Macau aos Portugueses. Ali, numa gruta, que torna célebre, Camões compõe grande parte de «Os Lusíadas»”

(1) Teve diversas edições sem alteração de nota.  De todas as colecções lançadas pela Agência nos anos 60, esta terá sido a de sucesso mais prolongado.   http://www.cromos.com.pt/surpresa/Agencia2/Camoes.htm
 (2) Carlos Alberto Santos, pintor e ilustrador português.
Para «Camões»  introduziu o padrão que viria a manter em todas as produções futuras: cada cromo foi desenhado sobre um cartão de formato A5 (aproximadamente 22X15 cm) e pintado a guache. O novo formato permitiu-lhe uma qualidade reminiscente dos cromos suíços e alemães do início do século e raramente igualada no campo do cromo comercial. É instrutivo verificar como a subtileza dos tons e a riqueza de pormenores se perdem nas impressões baratas e como, apesar disso, a paixão pela qualidade que no artista é um reflexo da sua natureza o levou a manter um detalhe que o resultado final que chegava às mãos dos coleccionadores dificilmente poderia justificar.”
MIMOSO, João M. – Carlos Alberto Santos e as Colecções de Cromos.
http://www.historia.com.pt/APR/CarlosAlberto.htm