«N´uma representação, escripta em 1821, para ser apresentada ao rei constitucional D. João, affirma-se que em 1583 havia em Macau 900 portuguezes, além de mulheres, escravos, e muitas centenas de meninas chinas que tinham sido compradas como tambem muita gente que tinha vindo dos portos portuguezes da Asia; e affirma-se  mais que no fim do século décimo sétimo a população de Macau subia a 19 300 almas; mas em 1821 estava essa população reduzida a 4 600 consistindo de homens livres, escravos e gente de todas as nações incluindo convertidos chinas, que se vestiam á europeia; a saber, subditos livres acima de quinze annos de idade, 604 indivíduos; abaixo de quinze annos 473; escravos 537 e mulheres 2 692, fazendo um total de 4 307. N´este numero não estavam comprehendidos 186 homens pertencentes ao batalhão, nem 19 frades e 45 freiras. Em 1830 calculava-se a população de Macau com exclusão dos militares e do clero, em 4 682, a saber, em 1n 202 homens brancos, 2 146 mulheres de differentes castas. Os portuguezes nascidos em Portugal e seus dominios, que 1 834 residiam em Macau, não excediam 90 pessoas. Nem elles, nem qualquer outro subdito podiam sahir de Macau sem previo consent´mento do governo» (1)

Macau 1830Macau, “Vista das duas baías”, c. 1830 (2)

 (1) LJUNGSTEDT, Andrew – Esboço Histórico dos Estabelecimentos Portugueses na China. Citado por TEIXEIRA, P.e Manuel – Os Macaenses. Centro de Informação e Turismo, 1965, 99 p.
(2) http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/cw_gal_01_thumb.html