…………. Faz hoje, 457 anos.

Em 20 de Novembro de 1555, Fernão Mendes Pinto, então noviço da Companhia de Jesus, escreveu de Lampacau, uma carta, na qual descreveu a sua chegada a Sanchoão, neste ano, e a sua viagem a Lampacau, na companhia do Pe. Belchior Nunes.(1)  Esta carta dirigida ao Pe. Baltasar Dias, Reitor do Colégio de Goa, é o primeiro documento conhecido em que aparece o nome de Macau, sob a designação de Amaquao ou Ama Cuao.” (2) (3)

(1) “Em 23-11-1555, o padre jesuíta Belchior Nunes Barreto, que esteve nas costas da China, de Agosto de 1555 a 7 de Junho de 1556 e exerceu o seu apostolado entre os 300 portugueses que se encontravam, então em Macau, escreveu para o Colégio de Goa,
                               “Deste Machoam porto da China….”
dando conta dos usos, costumes, governo etc, da China, particularmente de Cantão, para onde teve de efectuar duas viagens, a fim de negociar a libertação de Mateus Brito, que ali se encontrava preso, há seis anos, com mais dois portugueses e três nativos cristãos, mediante o resgate de 1.000 taes, por cabeça. Tanto esta sua carta como a de Fernão Mendes Pinto, de 20 de Novembro de 1955 são datadas de Macau, sendo nestes dois documentos que se menciona pela primeira vez o nome de Macau.” (3)
(2) Embora alguns críticos afirmam ser engano do copista, Amaquao deveria ser Lampacao (4), Fernão Mendes Pinto na carta é claro quando diz «Amaquao, distante seis  léguas de Lampacau que é o porto onde estamos…»
(3) GOMES, Luís Gonzaga – Efemérides da História de Macau. Notícias de Macau, 1954, 267 p.
(4) Segundo Albert Kamerer (citado por Beatriz Basto da Silva ) (5), ” …mas a crítica afirma ser engano do copista, por Lampacao”
(5) SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau Séculos XVI-XVII, Volume 1, Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, 2.ª Edição, Macau, 1997,198 p (ISBN 972-8091-08-7)

NOTA:  AMAQUAO – um dos possíveis nomes de Macau: Diz a lenda que a Deusa Neang Ma, patrona dos marinheiros de Fukien, (*) salvou a tripulação de um junco. Em sinal de gratidão, eles construíram um altar na praia em honra da Deusa, dando-lhe o diminutivo de A-Ma(**); o lugar passou a ser chamado de A- Ma-Kao (porto de A-Ma). Os portugueses, a partir de 1557 passaram a chamar-lhe Povoação do Nome de Deus de Amacao na China (5).
Até meados da dinastia Ming (***) , não existia o nome de Macau (****). A parte norte da península chamava-se Wangxia (MongHa) (*****)  e a parte sul tinha o nome de Haojing. O mar era rico  de ostras (ostras em chinês pronuncia-se “hao”) . Tinha duas baías nesta parte do sul que eram redondas como espelhos ( em chinês “jing”) Daí o nome de Haojing (******) (espelho de ostras)  (6)

Theodor de Bry (1528-1598) – circa 1598
Observa-se estrangeiros sendo transportados in palaquins acompanhados de criados com chapéus.
O porto Interior concorrido com navios estrangeiros. (7)

 (*) Fujian ( 福建) romanizado como Fukien ou Foukien é uma província do sudeste da China, a norte da província de Guangdong.
(**) Templo de Á-Má – 媽閣廟 mandarin Pinyin: Māgé miào; cantonense Jyutping: maa1 Gok3 Miu6
(***) Dinastia  Ming (1368-1644):  明朝 mandarin Pinyin; Ming cháo; cantonense Jyutping:  ming4 ziu1
(****) Macau  澳門 mandarin Pinyin: Àomén; cantonense Jyutping: Ou3 Mun4
(*****) Mong Ha 望廈 mandarim Pinyin wàng xià; cantonense jyutping mong6 haa6. (olhar/avistar a mansão)
(******) Haojing 濠鏡  cantonense jyutping hou4 geng3 (espelho de ostras)  ou Jinghai 鏡海cantonense jyutping geng3 hoi2 (espelho de mar)
(6) FEI Chengkang – Macao 400 Years. The Publishing House of Shanghai Academy of Social Sciences, 1996, 360 p. ISBN 7-80618-266-7
(7) http://ocw.mit.edu/ans7870/21f/21f.027/rise_fall_canton_04/gallery_places/pages/cwM_1598_AH8121_Amacao_sc.htm
Segundo Beatriz Basto da Silva (5), trata-se de Macau no final do século XVI, segundo gravura em cobre (c. 1598) do artista Teodore de Bry. Foi copiado por Meinsner c. 1625 (Dervent Collection)
VER: https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/tufoes