1 – Pratica de tiro     2 – Um acidente curado pelas «girls scouts»     3 – Uma parada de «scouts»

O scouting tem provocado em todos os paises as atençoes do publico e dos poderes officiaes.
Em toda a parte se compreende o alto valor d´esta verdadeira escola de coragem, de d´isciplina e de destreza.
Em Inglaterra, na América, na Suécia, etc, os corpos de boys-scouts são organizações modelares, de onde saem mais tarde o exército os mais intrepidos oficiaes e soldados e, o que é importantíssimo, com a melhor e mais adequada preparação.

1 – Patrulha de «girls scouts» em observação     2 e 4 – Equitação de «scouts»     3 – Exercícios de alpinismo     5 – Um posto de sinaes

Em Portugal nada ha feito n´este sentido e o nosso publico ignora certamente como o que não se fez ainda na metropole se conseguiu já brilhantemente n´uma das colonias.
Por iniciativa do governador de Macau, 2.º tenente d´armada,  sr.  Alvaro de Melo Machado, organizou-se ali um corpo de boys e girls scouts, que tem causado grande entusiasmo n´aquela nossa possessão.

1 – Ginastica sueca dos «scouts»     2- Uma patrulha acampada     3 – Transmitindo um despacho     4 – Patrulha de «scouts» preparando o acampamento

Damos hoje várias fotografias tiradas recentemente em Macau, pelas quaes os nossos leitores apreciarão o alto valor da iniciativa do 2.º tenente Melo Machado.
É para desejar que se siga no continente o alto exemplo que nos dá a nossa longíqua colónia.” (1)

NOTA : “O Escotismo chegou a Macau em 1911, pela mão de Álvaro Cardoso de Melo Machado, à data Governador interino daquele território, com apoio do Mr Nightingale, o qual dirigia os boys-scouts em Hong Kong e de Miss Cambell, responsável na antiga colónia Britânica pelas girls-scouts. Foi pois, na cidade de Macau “ cidade do nome de Deus de Macau”, que se deram os primeiros passos do Escotismo Português. (2)
Álvaro Cardoso de Melo (1883-1970), em 1909 como 2.º tenente, é ajudante de campo do Governador Eduardo Marques, (3) sendo depois secretário interino em 1910, até  ao momento em que é nomeado governador interino de Macau, em 17 de Dezembro de 1910, (tinha na altura, 27 anos de idade), na sequência da queda do regime monárquico em Portugal, cargo que irá ocupar até 14 de Julho de 1912. Foi Chefe do Governo de Moçambique quando seu pai foi Governador da província (General Joaquim José Machado) entre 27 de abril de 1914 e 20 de Maio de 1915 (2)
No Boletim Oficial de Macau, 3º Suplemento, de 31 de Dezembro de 1986, podemos constatar a atribuição de uma rua com o nome de Álvaro de Melo Machado.

(1) Artigo não assinado in Ilustração Portugueza (edição semanal do jornal O SECULO), n,º 339, Lisboa, 19 de Agosto de 1912, pp. 235 – 237.
(2)  Retirado do blogue , trabalho de pesquisa de António Jorge Barros Cardoso, do Grupo 230 de Caxias da Associação dos Escoteiros de Portugal
http://escoteiros230caxias.blogspot.pt/2010/02/alvaro-cardoso-de-melo-machado-fundador.html
(3) “O Governador Eduardo Marques pediu a exoneração, dada a mudança de regime, mas não lha concederam , mantendo-se, portanto, em funções, a pedido do Governo metropolitano. A cerimónia oficial de proclamação do novo regime, no dia 10, contou ainda com a sua direcção.”
REIS, Célia – O Padroado Português no Extremo Oriente na Primeira República. Livros Horizonte,2007,222 p., ISBN 978-972-24-1511-8