Actuando conforme as ordens recebidas do Governador António Sérgio de Sousa,(1) o intérprete-sinólogo Pedro Nolasco da Silva,(2)  acompanhado de Augusto Ludgero Vichi, ajudante do capitão do Porto, foi a bordo duma embarcação de guerra chinesa, surta no porto de Macau, comunicar ao mandarim dos portos fiscais, Paum Ioc, que o Governador lhe mandava dizer que não havia de tratar de negócio algum com ele enquanto não fizesse sair do porto de Macau todas as canhoneiras chinesas, menos uma, ao que o mandarim respondeu que ia mandar retirar as ditas canhoneiras, assegurando que elas não tinham vindo com fim hostil mas para serem empregadas no cruzeiro de repressão de contrabando de ópio” (3)
(1) António Sérgio de Sousa (1809-1878), primeiro e único visconde de Sérgio de Sousa,  vice-almirante, foi governador interino de Angola (1851-1853) e depois governador de  Macau (1868-1872) (tomou posse do cargo em 3 de Agosto de 1868 – havia sido nomeado em 13 de Maio). Após saída de Macau, foi  governador da Índia Portuguesa (1877-1878). Durante o seu mandato. foi lançada a primeira pedra para a construção do Monumento da Vitória (1870) e depois inaugurado o jardim com o monumento (26-03-1871);  inaugurado o arco das Portas do Cerco (1871); fundada a Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM) (1871) e  publicado novos regulamentos sobre a emigração dos Cules. É substituído pelo Governador Januário Corrêa de Almeida, Visconde de S. Januário (nomeado em 23-03-1872)
SILVA, Beatriz Basto da – Cronologia da História de Macau, Século XIX, Volume 3. Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1995, 467 p, ISBN-972-8091-10-9
(2) Pedro Nolasco da Silva foi nomeado nesse ano, no dia 25 de Abril para o lugar de primeiro interprete da língua sínica da Procuradoria dos Negócios Sínicos de Macau.

B. P. M. T. XVII-27

Sobre Pedro Nolasco da Silva, ver anteriores posts:
https://nenotavaiconta.wordpress.com/2012/05/06/personalidade-pedro-nolasco-da-silva/
                    https://nenotavaiconta.wordpress.com/tag/e-p-o/
(3) Mosaico, Vol II, n.º 11, 1951